Como o Blockchain pode transformar a Economia P2P.

p2p3.jpeg

Por Aaron Fernando

Publicado originalmente por: Shareable

Tradução e adaptação: Matheus Queiroz

Se você tem escutado a palavra “Blockchain” recentemente ou percebido muito entusiasmo a respeito dos preços do Bitcoin você não está sozinho. Há certamente muita enganação a respeito da quantidade de dinheiro que pode ser ganha nessas áreas mas essas histórias e discussões nem sempre tratam da utilidade que esses desenvolvimentos terão no dia-a-dia de pessoas comuns ao redor do mundo. Não apenas isso, também não existe uma boa explicação sobre o que esses desenvolvimentos tecnológicos fazem ou como eles funcionam, bem como uma explicação clara para pessoas leigas que poderiam se beneficiar com isso.

No entanto, há uma área em que o blockchain pode beneficiar a maioria das pessoas, independentemente de compreensão técnica, conhecimento especializado ou riqueza — na economia Ponto-a-Ponto (P2P).

A economia peer-to-peer (P2P) é um conceito relativamente simples. É uma economia em que qualquer pessoas pode transacionar, tanto como consumidor quanto como produtor (prosumidor) sem precisar de intermediários. O conceito de economia P2P está por aí há muito tempo, mas recentemente desenvolvimentos tecnológicos fizeram com que essa forma de comércio muito mais generalizada pela redução dos custos e aumentando a facilidade e o acesso.

Blockchain é uma nova forma de armazenar e transferir informação usando uma rede de computadores distribuída e extremamente segura. Um blockchain registra as mudanças de valor ao longo do tempo — geralmente transações, mas não necessariamente. Como um blockchain é uma rede de computadores, processos e aplicativos automatizados podem ser programados para rodar em blockchain. Esses processos e aplicações podem, chamados de “contratos inteligentes”, executam algumas ações uma vez que determinadas condições sejam atendidas. Por exemplo, um contrato inteligente simples pode ser um que jogue blackjack com você e te dá o pagamento ou pega seu dinheiro se você perder.

O importante é que, graças aos contratos inteligentes, a necessidade de moderação por um terceira-parte pode ser drasticamente reduzida ou eliminada ao se lidar com uma ampla gama de indústrias. Ao automatizar, via contratos inteligentes, o que anteriormente exigia caros intermediários, muitos serviços financeiros (seguros, empréstimos, pagamentos P2P) podem ser oferecidos por um custo menor. Essa mudança será disruptiva para essas e muitas outras indústrias — basicamente todas que tiverem potencial para o comércio no modelo P2P.

Uma dessas áreas em que os contratos inletigentes em blockchain estimularão imensas mudanças é a de distribuição de energia. Na verdade isso já está em andamento e agora esta se tornando possível descentralizar completamente a produção e o consumo de energia. A startup australiana Power Ledger tem desafiado premissas sobre distribuição de energia através da sua plataforma de distribuição baseada em Blockchain, que permite que prosumidores comprem e vendam energia entre si sem precisarem de uma empresa provedora mediando a transação. A inovação significativa aqui é que energia pode ser trocada por valor e valor pode ser trocado por energia sem ter que passar pelos tradicionais provedores desse tipo de serviço.

powerledger2.png

Tornando possível vendas diretas entre os prosumidores, simultaneamente passa a ser mais lucrativo para pequenos produtores de energia vender eletricidade dentro da rede e mais barato comprar eletricidade fora da rede.

“Ao eliminar os custos do mercado atacadista, as margens de varejo e os custos de varejo, há uma oportunidade para a melhoria tanto para o vendedor quanto para o acesso à energia mais barata para o comprador”, diz David Martin, diretor geral da Power Ledger. Efetivamente, isso vai tornar mais econômico para famílias e comunidades mudarem para a energia solar e venderem energia para seus vizinhos.

Com prosumidores podendo comprar e vender de seus vizinhos, a rede de distribuição será menos utilizada, o que resultará em um sistema de energia mais eficiente. E não precisa ser energia solar. “Nos velhos tempos, quando nos baseávamos em estações de energia a carvão, você tinha que deslocar as comunidades de onde estavam as estações de energia — lugares geralmente sujos, feios, mal cheiroso e barulhentos. Hoje em dia os geradores são muito mais complementares com o desenvolvimento urbano”, diz Martin. “Realmente não importa que formato a geração de energia tem; é o fato de ser co-produzido com o consumidor que torna o modelo muito mais eficiente.”

A infraestrutura para uma energia P2P descentralizada já existe, mas plataformas como a Power Ledger usam Blockchain para prover o monitoramento e a logística que permitem que prosumidores possam transacionar entre si. A Power Ledger já realizou dois pequenos testes do sistema e está agora angariando fundos e se expandindo, mas um projeto similar, o TransActiveGrid, também vem sendo testado no Brooklyn, em Nova Iorque.

O Blockchain pode baixar também os custos de uma economia P2P facilitando o compartilhamento de veículos e de outros equipamentos físicos. Por exemplo, a Slock.it desenvolveu um “Rede Universal de Compartilhamento” em blockchain, que é uma plataforma P2P em que qualquer coisa pode ser alugada, vendida ou compartilhada. Como uma Biblioteca de Coisasdescentralizada, plataformas como a Slock.it irão aumentar o acesso a equipamentos, veículos e qualquer outra coisa, enquanto conduzem à redução dos custos financeiros de administrar esse tipo de sistema.

 Créditos: Slock.it

Créditos: Slock.it

Quando chegamos ao envio de dinheiro, existem muitas empresas de transferência de valores que usam blockchain para facilitar pagamentos num formato P2P, o que normalmente seria intermediado por um banco ou empresas especializadas como MoneyGram ou Western Union. Algumas delas, que permitem que as pessoas enviem ordens de pagamento através das fronteiras — uma indústria de US$ 430 bilhões — podem reduzir drasticamente as tarifas usando blockchain.

A tecnologia blockchain também pode reduzir os custos de redes de seguros que rodam no formato P2P, reduzindo fraudes e cortando custos administrativos. Esse tipo de empresa já existe — companhias como a alemã Friendsurance oferecem seguros num modelo P2P, a Lemonade oferece seguros de propriedade em P2P e existem muitas outras. Ao adicionar a tecnologia blockchain o mercado de seguros pode se tornar mas simples e barato para os clientes.

Existem startups como a Dynamis que estão tentando adotar esse formato. Existe muito potencial nisso. Usando a tecnologia blockchain é possível que regiões e comunidades ofereçam seguros dentro de uma rede relativamente pequena e, em seguida, melhorem questões sociais para reduzir os custos dos seguros — aumentando os cuidados preventivos, por exemplo.

Já é sabido que a regulação possui muitos entraves quando se trata desse tipo de aplicação envolvendo P2P e que usam blockchain. Quando se trata do uso de blockchain em sistemas financeiros existem enormes obstáculos legais que precisam ser superados. Em muitas startups que usam blockchain existe geralmente um desprezo claro pelas questões regulatórias, mas isso pode ser contraproducente. Reguladores não são inimigos que buscam sufocar a inovação a todo custo, embora , às vezes, sufocar a inovação seja algo que os reguladores infelizmente façam.

Muitas dessas questões têm a ver com o fato de que as leis que regulam o sistema bancário, as finanças, produção de energia e assim por diante, foram escritas antes que o comércio P2P fosse possível e agora elas precisam ser interpretadas ou alteradas para se adequarem às capacidade atuais. Como David Martin, da Power Ledger disse: “Embora a regulação não contemple o comércio peer-to-peer, eu não vejo os reguladores como sendo anti-P2P. [As leis] apenas foram escritas em uma época em que a tecnologia não existia.”

Antes uma tecnologia obscura e desconhecida, agora o blockchain está sendo sendo usado com uma ampla variedade de propósitos por grandes corporações, ágeis startups e pequenos grupos colaborativos. A economia P2P sempre esteve à nossa volta, mas com um aumento tão dramático em questões de capacidade e eficiência que o blockchain fornece, podemos esperar ver uma reconfiguração na economia como conhecemos hoje, pois os indivíduos utilizam cada vez mais essa tecnologia para fazer transações diretamente entre si em quase todas as indústrias ou nichos.