Uso do Blockchain na Economia Informal: o caso da Twiga Foods.

 Créditos:  Edge Magazine

Créditos: Edge Magazine

A Twiga Foods, fundada em 2014, é uma empresa de distribuição de alimentos no modelo “business-to-business (B2B). Cria mercados para agricultores e varejistas por meio de transparência, eficiência e tecnologia. A Twiga possui uma plataforma móvel que reúne produtores de alimentos, empresas especializadas em embalagens e serviços de entrega dos produtos. É um marketplace que conecta diretamente pequenos agricultores aos varejistas das zonas urbanas.

A startup, que arrecadou US$ 10,3 Milhões em uma rodada de financiamento no final de 2017, estava procurando expandir seus serviços logísticos para algo que agregasse o ecossistema total do mercado. Isso se tornou possível com o início da parceria com o IBM Research, também em 2017. Com a utilização da tecnologia Blockchain, Twiga e IBM Research desenvolveram uma plataforma de empréstimo e fornecimento, capaz de ampliar o alcance e a capacidade da startup.

 A Twiga permite que uma proprietária de uma pequena banca de frutas e verduras em Nairobi compre diretamente de pequenos produtores, apena usando o celular. Créditos:  Payments Source

A Twiga permite que uma proprietária de uma pequena banca de frutas e verduras em Nairobi compre diretamente de pequenos produtores, apena usando o celular. Créditos: Payments Source

Depois de analisarmos os registros de compras de um dispositivo móvel, usamos algoritimos para reconhecimento de padrões, criando uma inteligência artificial capaz de prever a viabilidade do crédito. O que permite aos credores a confiança necessária para fornecer micro empréstimos a pequenas empresas e empreendedores. Uma vez que o crédito é determinado, utilizamos um blockchain, baseado no Hyperledger Fabric, para gerenciar todo o processo do empréstimo, desde a aplicação até o recebimento e termos de pagamento.
— Isaac Markus, pesquisador do grupo de serviços financeiros inclusivos da IBM.

Com Blockchain o processo de empréstimo torna-se transparente para todas as partes envolvidas. Isso é possível graças ao caráter imutável e distribuído da tecnologia blockchain. Não há fraudes, já que ninguém pode anexar qualquer transação sem consenso de toda a rede. Além disso, a tecnologia também emprega uma série de "contratos inteligentes" que podem ser executados em tempo real, com o potencial de reduzir significativamente o tempo necessário para processar e emitir manualmente um empréstimo.

Anteriormente, estávamos concentrados em ajudar os agricultores a distribuir bananas, tomates, cebolas e batatas para 2.600 quiosques em todo o Quênia, mas logo percebemos que poderíamos ajudá-los a vender ainda mais produtos com acesso a capital de giro. Se os fornecedores de alimentos puderem vender mais, podemos distribuir mais, aumentando nossos negócios.
— Grant Brooke, co-fundador da Twiga Foods.

O piloto de 8 semanas processou mais de 220 empréstimos, com um ticket médio de empréstimo em torno de KES 3.000,00 (Xelim queniano), o que equivale a US$ 30,00. Isso representa um aumento de 30% no tamanho dos pedidos e de 6% nos lucros de cada varejista.

 Todos os empréstimos são feitos via SMS. Créditos:  IBM.

Todos os empréstimos são feitos via SMS. Créditos: IBM.

Os empréstimos foram realizados no prazo de 4 e 8 dias, com uma taxa de juros de 1% e 2%, respectivamente. Todos os empréstimos foram executados via celular e foram direcionados diretamente para o capital de giro dos negócios. Quando um varejista recebia um pedido, recebia um SMS com opções de empréstimo para financiar esse pedido. Eles então respondiam ao SMS confirmando a opção de empréstimo que preferiam.

Com base no feedback dos varejistas, a solução baseada em SMS forneceu um canal efetivo para um conjunto diversificado de usuários, alguns com conhecimento limitado de TI, para acessar o financiamento de seus pedidos.
— Andrew Kinai, engenheiro de pesquisa da IBM Research.

Com base no sucesso do piloto, o plano é que a plataforma seja lançada para empreendedores em toda a África até o final deste ano e também seja expandida para novos setores.

Para entendermos melhor esse contexto é necessário saber que existem milhares de varejistas de pequena escala nas regiões africanas, que demandam por pequenos empréstimos mas não estão incluídos no sistema bancário. Estão inelegíveis para classificações de crédito oficiais, embora a matriz da economia informal tenha crescido mais de US$ 20 bilhões por ano.

Resolver um problema tão gritante não é fácil. Para esses pequenos empreendedores cortar custos e construir um histórico de crédito é um desafio fundamental. Da mesma forma, criar novas parcerias com fornecedores e prestadores de serviços financeiros é algo problemático. Embora exista uma genuína abertura de espírito no sentido de estender esses serviços às pequenas empresas nem todo empreendedor está em igualdade de condições.

Projetos como esse trazem luz para a necessidade de inclusão financeira e geração de renda, que países africanos e tantos outros países ao redor do mundo possuem.

Referências.

Kenya's Twiga Foods partners IBM for blockchain-based microfinancing. Disrupt Africa.

Blockchain Technology disrupts the Informal Economy in Kenya. News BTC.